quarta-feira, março 22, 2017

22 de Março

Tanto para dizer. Tantas são as mágoas. Os ressentimentos. Bem sei que a vida é curta mas também sei que não podemos permitir que nos pisem, nos magoem, nos maltratem over and over again.

Tens um feitio muito peculiar. Amo-te, claro, mas a convivência contigo é difícil por demais. Olho para trás e vejo mais mágoas, lágrimas, dor e conflitos do que alegrias. Não queres paz. Desconheces a paz. Tens tanta urgência em viver, em viver tão sofregamente que atropelas tudo e todos sem dó nem piedade. Será que em algum momento, num momento só teu, te deste conta disso? Te deste conta do sofrimento que provocas às pessoas que verdadeiramente te amam? Será que em algum momento, num momento só teu, despiste esse fato, tiraste essa máscara e, sem merdas nem manias, te deste conta do que tens vindo a perder?

No ano passado e há dois anos tiveste, neste dia, um bolo de aniversário, feito pelas minhas mãos. Não tinha o ar bonito dos das pastelarias mas foi feito com amor. Hoje não sei o que terás. Talvez um a condizer com a tua condição social. Com o que gostas de mostrar ao mundo.


Já vai fazer seis meses. Hoje ainda dói. Mas um dia há-de deixar de doer. Ou, pelo menos, de doer tanto.

Sem comentários:

Enviar um comentário